Como conseguir uma página de produto perfeita no seu website de ecommerce

Em teoria, uma página de produto é simples. O objetivo é fornecer ao seu cliente a quantidade necessária de informação para ajudá-los na tomada de decisão da compra do produto em causa. Rosara Joseph, uma estratega de conteúdos na VentureWeb, resume de forma muito clara:

“O objetivo primordial da sua página de produto deve ser a construção de confiança com o utilizador ao fornecer-lhe toda a informação necessária para a decisão de compra, tornando o processo o mais intuitivo e claro possível.”

Apresentamos-lhe de seguida os principais fatores a ter em atenção e algumas dicas para conseguir a página de produto perfeita para o seu website de ecommerce.

Copy

Um excelente copy é fundamental para a sua página de produto. Não apenas para o utilizador, mas também para o SEO. As keywords relevantes para o seu produto devem estar incluídas nos títulos e na meta description. Considere também incluí-las no url do produto. Evite usar descrições ou informações genéricas do fabricante e procure antes criar uma ligação com o seu público, falando para ele e respondendo às suas questões e necessidades. Procure, no seu copy, responder às seguintes questões:

  • O que é?
  • Em que medida resolve um problema/necessidade?
  • Porquê o seu produto?
  • De que é feito?

Eis um bom exemplo de copy no website da marca Wristology:

Imagens

As imagens são a primeira coisa que o utilizador vai ver na página de produto, e nesse momento faz um juízo de valor positivo ou negativo, instantaneamente. Mas além das primeiras impressões, a imagem do produto, se tiver excelente qualidade, vai permitir perceber melhor como é o produto e o material que o constitui, muito mais eficientemente do que o copy.

Para conseguir boas imagens irá necessitar de:

  1. Boas fotografias – Uma pessoa (ou equipa) com experiência em fotografia de produto será o ideal. No mínimo, necessitará de uma boa câmara fotográfica, sistema de iluminação, um backdrop branco, uma superfície estável e um tripé;
  2. Múltiplas vistas – Nunca deve ter uma imagem única de um produto. O utilizador quer ver o produto em vários ângulos e perspetivas, aproximando da experiência que teria se pudesse tocar o produto numa loja física;
  3. Otimização das imagens – As imagens devem ser otimizadas em termos de velocidade de carregamento e SEO. Imagens demasiado pesadas podem prejudicar a velocidade de carregamento da página (cerca de 40% dos utilizadores saiem do site se este demorar mais do que 3 segundos a carregar). Quanto ao SEO, deve nomear as imagens corretamente, usando títulos e alt tags que descrevam a imagem e o seu conteúdo de forma apropriada;
  4. Consistência – Uma das formas mais simples de conseguir consistência ao longo de todas as imagens é usando um backdrop branco, que lhe irá adicionalmente permitir realçar determinados detalhes do produto, editar mais facilmente as fotos e vender futuramente, se quiser, em marketplaces como o Google Shopping ou a Amazon que requerem fundo branco. Além disto, é muito importante usar sempre o mesmo aspect ratio entre as imagens, para que a sua listagem não tenha umas imagens maiores do que as outras.

Propostas de valor e sinais de confiança

As propostas de valor ajudam na tomada de decisão do consumidor e, ao mesmo tempo, respondem a algumas das suas questões frequentes. Deve mantê-las claras e visíveis na sua página de produto (exemplo: free shipping, devoluções grátis, etc). Se repararmos, estas propostas de valor são sinais de confiança para o utilizador, quase como que respostas às suas perguntas mais imediatas: Quanto custa o shipping? Quanto tempo demora a chegar? Depois posso devolver? Quanto pago para devolver?…

Deve incluir na página de produto respostas a todas estas questões, de forma simples e clara.

Social proof

Considerada também um sinal de confiança, a social proof é muito importante na página de produto. As reviews de outros clientes, tal como já referimos no nosso artigo sobre a experiência do consumidor são uma ponte importante entre a indecisão e a compra numa loja online. Os clientes valorizam muito a experiência e feedback dos outros consumidores que compraram e usaram o produto que estão a ver. Uma review positiva é um grande incentivo à compra. É um erro comum pensar-se que as reviews, por poderem às vezes ser negativas, podem denegrir a imagem do produto. Pode controlar o tipo de reviews que aceita no seu website, com uma política clara e transparente de aceitação de reviews, e fazer essa filtragem. A longo prazo, a opinião de outros consumidores ajuda à conversão. Se ainda não tem reviews no seu site, considere essa opção.

CTA (Call-to-action)

O principal objetivo de uma página de produto é levar o utilizador a comprar, ou seja, adicionar o artigo ao carrinho. O Call-to-action, neste caso, o botão “Adicionar ao carrinho” deve-se destacar do restante conteúdo, livre de distrações à sua volta, num formato o mais clean possível. Não necessita de usar o termo “Adicionar ao carrinho”, mas deve usar um standard que dê confiança ao utilizador e não o confunda. Existe um tempo e lugar para dar asas à criatividade, e o CTA não é um deles. Deve vir antes do copy principal, de forma a que nunca seja necessário fazer scroll down para o encontrar.

Eis um bom exemplo, mais uma vez, da marca Wristology:

SEO

As páginas de produto oferecem uma ótima oportunidade para trabalhar o SEO. Eis algumas boas práticas a seguir para otimizar a sua página:

  1. Pesquisa de keywords – Comece por perceber que termos é que os seus clientes utilizam quando pesquisam a sua marca ou os seus produtos e otimize a sua página para essas keywords;
  2. Descrições únicas – Mais uma vez, o copy é muito importante, de forma a que se destaque dos demais sites com as mesmas descrições quase “copy paste” para os mesmos produtos, para não haver duplicação de conteúdos e não se prejudicar em termos de SEO;
  3. Crie títulos, meta descrições, H1’s e image alt tags utilizando as melhores keywords para a página;
  4. Use keywords de long tail – O cliente já se encontra no fundo do funil, e sabe exatamente o que quer. As keywords da página de produto devem ser específicas para o produto que se está a vender;
  5. Dados estruturados (rich snippets) – Snippets são as pequenas linhas de texto que aparecem abaixo do resultado de pesquisa. Foram desenvolvidos para dar aos utilizadores uma noção sobre o conteúdo da página e por que ela é relevante para a consulta. Estas informações extra( como rating, preços, stocks, etc.) enriquecem o fragmento de resultado aumentam o CTR;
  6. Backlinks e engagement – Através da promoção de produtos nas redes sociais aumenta a probabilidade de obter backlinks para a sua página de produto. Este conteúdo deve ser relevante para a sua audiência e não um impingimento constante do seu produto. É algo que leva o seu tempo, mas aumenta significativamente o seu ranking.

Mobile

É necessário perder algum tempo a analisar de que forma as suas páginas de comportam em diferentes dispositivos. Ferramentas como o Hotjar permitem criar heatmaps que nos ajudam a perceber de que forma o utilizador se comporta em cada página e, possivelmente, detetar algumas falhas de usabilidade. No Google Analytics deve também comparar as taxas de conversão por dispositivo e perceber se vale a pena otimizar mais para mobile. Aqui as imagens devem ser proeminentes, centradas, sem distração do texto ao lado ou em cima. Os utilizadores gastam muito menos tempo a ler em mobile, pelo que este deve ser mais clean, com destaque nas imagens, e o copy em segundo plano, no scroll down.

Eis um bom exemplo de uma página de produto, em mobile, da marca Fred Perry:

Sugestões

Atualmente ouvimos falar muito de termos como cross-selling e up-selling como tendências no ecommerce. De facto, o cliente já se encontra dentro do funil de compra, pelo que devemos tentar tirar o máximo partido da sua predisposição para comprar. As sugestões ou recomendações de outros produtos dentro da página de produto são ótimas para dar a conhecer outras opções que o utilizador, muito provavelmente, ainda não conhecia e enriquecer a sua experiência de compra. Estas sugestões podem ser produtos parecidos, produtos dentro do mesmo tema ou estação, produtos da mesma categoria, da mesma cor, produtos complementares, produtos que outros utilizadores também compraram, produtos recentemente visualizados, entre muitas outras opções.

Eis alguns bons exemplos das marcas Michael Kors, Daniel Wellington e Salsa:

Chat

Oferecer a opção de chat na página de produto é uma excelente forma de clarificar dúvidas rapidamente ao cliente que se encontra num momento de decisão de compra. Na verdade, um estudo levado a cabo pela eMarketer em Novembro de 2016 concluiu que cerca de 48% dos utilizadores, a nível mundial, escolheram o chat como meio preferencial para customer service. Ligar ou mandar email são passos maiores que a maioria dos clientes não estão dispostos a dar naquele momento. No entanto, à distância de uma curta mensagem, é algo que poderá ajudar a resolver pequenas questões a muitos utilizadores.

Eis um exemplo de uma página de produto da marca de relógios Daniel Wellington:

Aprenda com a nossa formação online tudo o que precisa de saber para lançar e gerir o seu projeto de ecommerce!

Primeira parte gratuita! Comece já em academia.tudo-sobre-ecommerce.com